Total de visualizações de página

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Superarei?

Superar as dores e perdas da vida é muito difícil.  Costumamos superar, mas, às vezes, a saudade aperta.

Penso que graças a objetivos, prazeres, ilusões e ter algo para ocupar o nosso tempo, nos fazem superar os revezes.

Em muitas ocasiões, pensei que não superaria minhas perdas e dores. Acabei superando...

Ah, nem sempre ter algo a fazer, significa que temos objetivo, prazer e ilusão.

Ilusão e objetivo seriam palavras sinônimas?(rs).  Minha última ilusão, meu último objetivo, foi a mulher a qual me apaixonei no mundo virtual.  A ilusão começou no final de novembro de 2008, terminando em 2013.

A superação pode ser parcial.  Consegui sobreviver à perda dos meus vinis e da minha amada.  No entanto, não me conformo até hoje de tê-los perdido.  No tocante aos discos, tive o consolo de ter baixado pouco mais de 40% da minha coleção, nos benditos blogs de rock, graças à maravilhosa internet.  Quanto à minha ex amada...
Sobreviverei na fazenda?  Sobreviverei sem internet?

Das 22 casas em que morei, a número 22, a que moro por 5 anos e meio, foi a que mais gostei.  Além dela, gostei apenas de mais 4 residências.  E passei a morar nela quando eu tinha 53 anos de idade.

A internet, que se tornou a segunda maior paixão da minha vida, descobri aos 50 anos de vida.

Ouvir música e navegar na web são coisas que fazem ocupar meu tempo, me dão prazer.  Ao ficar sem internet, minha vida ficou bem mais vazia. É difícil viver sem ela.  Não sei se conseguirei superar tal perda.

Na roça não tem internet.  Se tiver na cidade interiorana, navegarei apenas semanalmente.  Isso se não chover e se eu tiver dinheiro para pagar uma lan house.  Ora, gosto de navegar na web diariamente, por horas, e na minha casa!

Ter que mudar de uma casa que vc gosta, é terrível!  É uma grande perda!  É um retrocesso ir para a roça, sem receber um salário, sem autonomia e liberdade.

Não tenho mais ilusão; não possuo mais objetivo..  É prazeroso ainda ouvir música, mas só isso não é o suficiente.

Não acredito que terei prazer em capinar, cuidar da horta, da granja e, sabe-se lá de outras tarefas, que me serão delegadas.  Nada disso supera a internet.

A perda da liberdade e da autonomia pode nunca ser superada.  Além do mais, andar sem dinheiro no bolso e no banco(não estou confiando que a viúva do meu tio continuará a me ajudar) é frustrante!  Sentirei muita falta das minhas idas nos bares de BH.  E será que voltarei em Belo Horizonte?  Suspeito que me sentirei preso na fazenda.

Confuso, sem rumo, creio que cometi mais um erro em não me suicidar.  Talvez eu tenha , simplesmente, adiado meu suicídio.  Quem sabe ainda querendo uma colher de chá do destino, para que o me mesmo me mate, ao invés de cometer o auto-extermínio.

Como já falei, agora é torcer para que eu não fique deprimido, não enlouqueça, não surte e nem fique adoentado.  E, claro, que eu não me desentenda com a minha sobrinha e seu marido.

Aos que me dão a honra de navegar no meu humilde blog, esta, ao que parece, é a última vez que uso a internet numa lan house, em Contagem(região metropolitana de BH).  Agradeço-lhes e desejo-lhes tudo de bom.  Se eu voltar a usar internet, creio que será somente no mês de setembro, mas espero estar enganado e navegue ainda em agosto.  Vale lembrar que estrada pode nos matar...

8 comentários:

  1. Companheiro desta infeliz jornada, tive a honra de conhecer seu meu humilde blog. Também gosto muito da minha solidão e da visão que tenho das coisas e das pessoas. Não é para consolar, mas temos um clube! Que nossas bocas continuem escancaradas esperando a liberdade da morte chegar, já que nesta vida não há liberdade verdadeira. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, Mundico.
      Grato pelo comentário. Apareça sempre.
      Abraços!

      Excluir
  2. Meu amigo lhe desejo muita sorte, que todos os seus desejos sejam realizados. As vezes a vida é realmente cruel, mas seguindo estamos que sabe cumprindo a nossa missão e um dia teremos uma vida melhor . Um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Mirtes. E vc, como está.
      Tudo de bom!
      Abraços!

      Excluir
  3. Respostas
    1. É bem mais difícil do que eu pensava, Janice(rs).
      Beijos!

      Excluir
  4. Boa noite, você me desperta curiosidade... As vezes também tenho pensamentos como os seus, é angustiante, mas consigo superar, meu segredo é a distração mesmo, aprender uma coisa nova...
    Queria saber mais sobre você, sempre teve desses pensamentos? Já foi casado? Tem filhos?
    Vontade imensa de saber sobre sua vida.
    Bom, por aqui fico, espero que um novo ambiente possa te fazer bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi C..
      Sim, sempre tive tais pensamentos. Fui casado, mas não tive filhos.
      Contei praticamente toda minha vida nos blogs, incluindo este.
      Se quiser, deixe seu e-mail para contato. Não o publicarei.
      Abraços

      Excluir