Total de visualizações de página

terça-feira, 24 de abril de 2018

Férias

No mês de setembro, completa três anos em que frequento a biblioteca, o único local o qual acesso a internet.  Creio já ter chegado a hora de tirar umas férias. Estou enfarado...

Venho até a biblioteca duas vezes por semana... às vezes até três...
E venho  também porque tenho que  comprar  mantimentos, se não passo fome.rs
Estou enfarado de andar pouco mais de quatro quilômetros(só ida) , caminhando pela movimentada e perigosa rodovia.  Quatro quilômetros, só na rodovia, só num dia, só na ida.  Semanalmente, vindo até a cidade duas vezes, caminho por uns 20 quilômetros.
Me afastando da biblioteca, pretendo vir até a cidade, apenas uma vez por semana.

Não sei quando voltarei a usar a internet, na biblioteca, lógico.
Como ando confuso , perdido e sem rumo, posso voltar o mais rápido possível(quem sabe até mesmo ainda nesta semana-rs)... tudo é possível...
Mas, parece ser impossível eu tirar umas férias da fazenda do primo.
Parece impossível eu ficar sossegado, vivendo em paz.
As férias eternas da vida aparentam estarem distantes(ou não?).

Internet, pra mim, faz falta, e como faz!  No entanto, usar a net em Lans House ou bibliotecas, claro que não causa tanto prazer como navegar em casa, com privacidade, solidão , liberdade e sossego.

Da minha coleção de 1238 discos, vendidos em 2014, já baixei/gravei 832, quase 70%.  Estou satisfeito.
Bom dar uma pausa , curtir pra valer o que tenho baixado, desde julho do ano passado e os mais de mil discos que tenho...

Apesar da falta que a internet me faz e fará, há um ponto positivo:  o mundo virtual me faz lembrar (muito) da minha última paixão amorosa.  Melhor não ficar recordando muito, não?
Apesar do nosso subconsciente.  Nesta última noite, entre os sonhos desagradáveis que tive, num deles, minha mãe me aconselha a   procurar uma determinada profissional da psique , que faria eu esquecer da LL...  É a vida, é o pesadelo da paixão!

Fui...............

Canção do Pink(Richard Wright)

 O quieto, meu amigo sorridente
Jogado em nossas vidas
Você deu tudo o que podia
Viu através do nosso disfarce

Eu tinha que ficar
Eu não podia partir
Dê-me tempo para que eu possa respirar
Dê-me tempo para estar à vontade

Pacientemente, você viu a gente tocar
Peças que você tinha visto antes
Mesmo assim, algumas vezes nós perguntamos
Você quer ficar com elas ?

Preso entre a teia emaranhada
Você ajudou a nos libertar
Infelizmente, então, você se perdeu
Então você teve que sair

E eu devo ir, seguir meu caminho

Deixe-me ir, não posso ficar
Deixe-me ir, não devo ficar

E eu devo ir, seguir meu caminho
Deixe-me ir, não posso ficar
Deixe-me ir, não posso ficar

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Falta de sossego

Uma leitora, que me honra com a sua presença no blog, questionou o que pode ter de errado na fazenda.
Eis seu comentário:  Qual o problema com essa fazenda? O campo é quase sempre todo igual, uma coisa ou outra que difere... mas a vida no campo é sempre a mesma coisa onde vc esteja...verde, animais e sossego...

Há verde, animais, mas nem sempre sossego.
Onde existe vida, pelo que noitei nestes quase 62 anos em que vivo , ou melhor, em que estou preso neste planeta, não existe sossego.  Existem alguns momentos de sossego.

Já relatei no blog, que mesmo certos animais me tiram o sossego. Na atual fazenda, até que tenho sorte por não ter contato com as vacas; já na outra fazenda, o gado bovino costumava me tirar o sossego.

Dentro do meu lar, gosto de solidão, sossego e silêncio, mas nem sempre tais coisas estão presentes.
Vivo revelando isto.  Eu gostava mais da outra fazenda, pelo fato de lá eu ficar por mais momentos sozinho, com um relativo sossego.  Já morei em 23 residências, e as poucas que gostei, o grande motivo era o fato de haver mais silêncio nelas, menos vizinhança, menos movimento humano, menos barulho.

Neste último sábado, nos poucos minutos que fui "obrigado" a conversar com o meu primo, ele me irritou.
Ele é um chato!  Cadê o sossego, convivendo e sendo sustentado por uma pessoa assim, tão vulgar, um megalomaniáco, entre outras coisas?

Já tive divergências com o caseiro, que aparentam superadas.  Ainda assim, não confio nele.
Mesmo ele não me enchendo o saco, prefiro-o distante de mim.
O que não falta na vida é gente falsa.
E os últimos falsários(rs) que tive contato foram a prima com seu nefando marido, os patrões da última fazenda.

E o primo já me revelou que , agora, em maio, assassinará mais um porco, para comemorar o aniversário de um de seus sobrinhos.  O evento será na fazenda, onde moro.
O rapaz é filho da abnegada irmã do primo, responsável por eu morar na fazenda, ficando livre da fome e da falta de moradia.  Já notei que ela ´autoritária.  E qualquer conversa, qualquer problema que lhe relatamos, ela manda a gente rezar para algum santo ou alguma Nossa Senhora.

O que relatei acima é ter sossego? Neste final de semana, um boi atacou um fazendeiro, que tem fazenda próxima da fazenda do primo.  Coincidentemente, ele me deu uma carona, na última quarta feira, quando vim na cidade interiorana.  Isto é ter sossego?

Sossego?!  Só depois da morte.  E isto se não houver vida além!


quarta-feira, 18 de abril de 2018

Alegrias e (boas) surpresas do rock e da internet

Há pouco tempo, resolvi escutar um dos mais de mil discos em mp3, que baixei na internet.
O nome da banda é Principal Edwards Magic Theatre; o disco é o "The Asmoto Running Band".
Uma das curiosidades do álbum é que foi produzido pelo baterista do Pink Floyd, Nick Mason.

Baixei/gravei o citado disco em 2009, e como praticamente todos os álbuns que baixei na internet de bandas desconhecidas, de sons que nunca havia escutado, hoje, quando volto a escutá-los, é como se eu os ouvisse pela primeira vez. Mesmo gostando deles, não consegui gravar o som em minha mente.  Os neurônios já não são os mesmos; a velhice marca presença.

E, logo ao acabar de escutá-los, ao usar a internet, resolvi pesquisar se a banda havia gravado mais discos.  Gravaram mais três.

O "Asmoto..." foi o segundo álbum, gravado em 1971.  Consegui, com facilidade, gravar o primeiro trabalho deles , "Soundtrack"(1969), mas tive dificuldades em gravar o terceiro e o quarto disco.

A banda, que foi uma das pioneiras ao misturar música com dança e teatro, contava com dois vocalistas, um homem e uma mulher, sendo que o vocal feminino é de nos deixar extasiados!
Fiz confusão ao ler as fichas técnicas dos discos e  pensei que a vocalista principal, era uma tal de Belinda Bourquin. Fiquei admirado com a moça, que além de cantar, tocava violino, flauta doce e teclados. Isto, nos anos 60 e 70, era coisas rara para uma mulher!
Observando com mais atenção, descobri meu engano: o vocal era feito pela Vivienne McAuliffe.  Belinda era instrumentista e atuava nos vocais de apoio.

E foi à partir deste momento que percebi a grandeza da voz de Vivienne.
Sublime!  Revelei tal fato, num post que leva o nome da cantora.

Insistindo em baixar os discos que faltavam do Principal Edwards, acabei fazendo outra grande (e agradável) descoberta:  Vivienne, também foi cantora da banda Affinity.

O Affinity foi outro grupo que descobri na internet.  Baixei seu primeiro (e único) oficial disco, gravado em 1970.  No álbum, o Affinity estava mais focado no jazz/rock.  A vocalista era a Linda Hoyle, que , logo após a gravação do disco, saiu , se enveredando numa carreira solo.

Vivienne foi recrutada para o lugar de Linda e o Affinity gravou seu segundo trabalho, "1971-72", que só foi lançado muitos anos depois.

A meu ver, "1971-72" é bem superior ao primeiro álbum do Affinity, e Vivienne brilha, brilha e brilha, com seu mais que maravilhoso vocal!  A bela ainda se dá ao luxo de escrever a letra de uma das canções: "Grey Skies", cujo significado em português é "Céus Cinzas".

Literalmente, os céus têm sido cinzas aqui, na cidade interiorana, nesta semana. Eu, como sempre estou cinza, taciturno, mas o rock e a internet continuam a me dar remanescentes de alegrias, me causando surpresas agradáveis.

E, mais uma vez, lamento o pouco que se sabe sobre esta maravilhosa e super subestimada cantora, Vivienne McAuliffe, que morreu em 1998, aos 50 anos.  No entanto, sua voz ainda vive, para a nossa alegria!  Muito obrigado, rock!  Muito obrigado, internet e seus blogueiros roqueiros, que upam discos para nós!  Muito obrigado, Vivienne McAuliffe!

Nota: Já consegui os outros dois trabalhos do Principal Edwards, que não contam com a presença da maravilhosa Vivienne, mas , ainda assim, são muito bons de se ouvir.

Mais tranquilo, mas ainda insatisfeito

Como relatei, no  post anterior, na última segunda-feira, eu estava muito irritado.

Até chegar no sono, à noite, continuei irritadíssimo, pensando mesmo em avisar a todos que iria embora da fazenda, que nunca mais iria limpar o quintal cheio de folhas.

De madrugada, mudei de ideia.
Até o momento, estou mais calmo, mas continuo insatisfeito, revoltado, desanimado, sem perspectiva, como de costume.

Não gosto mesmo da fazenda onde moro.  Não gostei de lá, desde o primeiro dia...

Tentei , tenho tentado, ao máximo, me adaptar, nestes quase 20 meses em que moro lá, mas não tem jeito.

Sou desconfiado de todos ao meu redor...  Não me sinto bem lá.  Não exagerei no que disse no post anterior.

Na outra fazenda, onde morei, cheguei a gostar, mas o casal 0 me obrigou a ir embora.
E, hoje, sei que se eu morasse lá, as coisas seriam ainda piores do que na fazenda atual.
Afinal, o nefando marido da megera da minha prima, frequenta a fazenda com bem mais assiduidade.  Me contaram que, atualmente, além do galinheiro, há a presença de 13 cachorros!
Também me contaram que o marido da prima se desentendeu com seu cunhado, o dono do gado, que foi embora...
Lá seria bem pior pra mim, já que o marido da minha prima é um sujeito insuportável.

É a vida... mas cadê a morte que não toma uma providência?

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Criminoso irrecuperável e criminosos felizes

Continuo convicto que a vida na Terra é uma prisão.
E sou destes criminosos irrecuperáveis.

Nesta terra maravilhosa chamada Brasil, onde muitos, com convicção ,falam que é a terra de Deus("Deus é brasileiro), o que não faltam são criminosos irrecuperáveis, que chegam até a dizer que as prisões brasileiras não recuperam ninguém, e sim são faculdades do crime, onde se aprende a ser bem mais bandido do que se é.

Até hoje não sei o crime que cometi e o motivo de estar há quase 62 anos nesta prisão.
Há anos e anos que minha meta é a paz, o sossego, o silêncio, a solidão.
Mas, neste mundo, criado pelo todo poderoso e bondoso Deus, querer as quatro coisas que citei, é querer muito!

Sei, sou muito irado, revoltado, explosivo e tenho tendências vingativas, sou rancoroso.  Tudo isto, não condiz com um espírito pacífico.  Além do mais, vivo falando que já matei muitas pessoas no pensamento.  Grande parte da sociedade brasileira está certa, a meu ver, em dizer: bandido bom é bandido morto.  Eu digo, além disto, inimigo/desafeto bom, é inimigo/desafeto morto.

Devido o que acabei de falar, creio que fica comprovado que sou um preso irrecuperável.  O perdão e o amor não estão na minha cartilha.

Não obstante, por que um indivíduo, uma pessoa, não pode viver em paz, com sossego, silêncio e solidão ao seu lado?  Por que precisamos dos outros?

Por que meus colegas, "irmãos" presidiários, são tão conformados, e muitos ainda se dizem felizes?

Ah, eu postei , há poucos dias, dizendo que vivo agradecido.  Entretanto, não é bem assim.
Não adianta tapar o sol com a peneira.
Sei que, praticamente, todos ao meu redor, não me levam a sério, e que o sentimento mais nobre que têm ao meu respeito é a piedade.
Falei de um sentimento nobre... e os outros?  Desprezo... certamente, há quem diga que sou folgado, preguiçoso, incapaz e ainda há a piedade por eu já ser um idoso.  Ah,  me taxam de louco também.

Na verdade, estou cansado de morar na fazenda do primo!  Ao mesmo tempo que sou agradecido ao mesmo, não sou lá muito chegado nele, e cada vez que tenho que pedir dinheiro pra comprar mantimentos, eu morro um pouco(ou melhor, muito).
Na verdade, não confio no caseiro, nem mesmo na sua mulher, que me trata com tanto respeito. Não consigo esquecer o que seu filho de criação aprontou comigo, e notei que sua filha legítima não gosta de mim(será cisma?).

Estou cansado de ver o J.B. e um outro peão, prestarem serviços para o primo!
Estou cansado da ganância do primo!

Estou cansado de frequentar a biblioteca da cidade, por duas e até três vezes da semana!
Estou cansado de ver as mesmas caras!

Estou cansado de depender dos outros!
A simpatia da população da cidade interiorana e o prazer de baixar e gravar discos pela internet, não são suficientes para me agradar!

Novamente, estou pensando em pedir demissão. Estou pensando em ter uma conversa séria com o caseiro, sobre o que acabei de falar.  O problema é que creio que ele não vai me entender...  Mas, pretendo dizer coisas como o fato dele só me tratar bem, devido eu ser primo do seu patrão...  E ele continua insatisfeito com primo, ameaçando ir embora da fazenda.
E que fazenda feia!!!!  Estou cansado dela também!

Estou cansado de ter que andar à pé, por uns 4 quilômetros(só a ida),duas ou mais vezes, por semana, numa estrada, uma rodovia, no qual corro até risco de acidentes!  Estou cansado de,semanalmente, me deparar com carros, caminhões, camionetes e motos(um consolo: poucos ônibus passam na rodovia)!  Estou cansado até das caronas que pego!

Estou cansado, enfarado , de ter que limpar e limpar folhas, que caem constantemente de diversas árvores!  Estou cansado do vento, que ajuda a derrubar as folhas!
Estou cansado de morar  numa casa sem forro!  Estou cansado de me deparar com insetos, morcegos, aranhas, besouros, pássaros, calangos, passarinhos!  Estou cansado de viver tão precariamente!  Estou cansado de ser velho!  Estou cansado da minha magreza!
Estou cansado de viver na prisão, nesta prisão chamada Terra!

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Vivienne McAuliffe

Arrisco em dizer que Vivienne McAuliffe foi , não só a cantora, foi, igualmente, o(a) artista mais subestimado(a) do rock.
Eu próprio, que a conheci nos dois primeiros discos solos do tecladista Patrick Moraz, há mais de quarenta anos, não dava o valor , o qual ela merecia.
Recentemente, que percebi o potencial de seu vocal.  Vivienne, que morreu aos 50 anos,há 20 anos atrás, é a uma das melhores cantoras do rock.

Era linda também!  Pouco , ou nada, se sabe sobre ela. Não foi aproveitada, como deveria  ser no mundo artístico.  Uma pena!

Vivo Agradecido(2)

Vivo, igualmente, agradecido a tantos e tantos grupos de rock, que tanta alegria me deram e ainda me  dão.  Na verdade, pensando bem, só eles me dão ainda alegria,satisfação.

Antes de baixar músicas na internet, em 2007(ano em que comecei a baixar), eu já conhecia, tendo 7 discos da banda, o Grateful Dead.
Em português, Grateful Dead, significa Morto Agradecido.

Grateful Dead foi uma banda que começou suas atividades, ainda nos anos 60, em pleno movimento hippie, em São Francisco, Estados Unidos.
É um grupo polêmico, amado e odiado por muitos.
Graças à internet, que conheci melhor o som deles.  Além dos sete álbuns, que tive, baixei mais outros sete da banda.

E o nome da banda, até que faz jus a eles: parte de seus integrantes, morreram precocemente, alguns de overdose...  O músico principal da banda, Jerry Garcia, morreu em 1995, aos 53 anos, bem debilitado, doente mesmo, certamente, em consequência do uso excessivo de drogas.

Jerry Garcia tinha uma voz única no rock: fina, sutil, embalada por seu modo, único também, de tocar guitarra.
Seu companheiro de banda e de instrumento, Bob Weir, ainda vive.  Diferentemente de Garcia, Weir , tinha a voz grossa...
E entre os grandes integrantes do grupo, ainda havia o baixista Phil Lesh, uma figuraça, que compunha e até cantava, mas, durante muito tempo, deixou de cantar e compor, embora tenha continuado a tocar seu baixo, e bem!

Segue um dos maiores sucessos do Morto Agradecido, "Touch of Grey", cuja melodia foi composta por Jerry Garcia e a letra foi de autoria de Robert Hunter.
Gravada em 1987.  Bom, Jerry Garcia se foi em 1995, e na música há um refrão forte, dizendo "eu sobreviverei".  E o o morto agradecido , de cabelos longos e barba branca, só sobreviveu por mais 8 anos...

Quanto a mim, sou, igualmente, um morto agradecido, um morto vivo agradecido, aliás.

Não posso esquecer de agradecer a uma amiga virtual, que há quase cinco anos, mantém contato comigo, através de e-mails.  Sempre gentil e compreensiva.  Ah, se todos fossem como ela!  Tá bom, sei... cada um é de um jeito e se todos fossem bons, o mundo seria monótono.  Porém,  prefiro monotonia a o mal.


Toque De Cinza

Deve estar ficando cedo, o relógio está atrasado
Pintar meu amor em um céu de manhã, parece tão falso
O amanhecer está em tudo, acenda uma vela, quebre o brilho
Desenhe as cortinas, eu não me importo, está tudo bem
Eu vou superar
Eu vou superar
Eu vou superar
Eu vou sobreviver.

Eu vejo que você tem sua lista, pegue sua parte e saia.
Acho que peguei todo o mal disso, mas está tudo bem
Lamento que você se sinta assim, a unica coisa que há para te dizer...
Todo lado bom tem seu toque de cinza
Eu vou superar
Eu vou superar
Eu vou superar
Eu vou sobreviver.

É uma lição para mim, os Ablers, os mendigos e os mares,
O ABC nós iremos enfrentar, para manter um pouco da graça.

Eu sei que o aluguel está atrasado, e o cachorro não come há anos
É ainda pior do que parece, mas está tudo bem

A vaca está dando querosene, o garoto não pode ler aos dezessete anos
As palavras que ele conhece são tão obscenas, mas está tudo bem
Eu vou superar
Eu vou superar
Eu vou superar
Eu vou sobreviver.

O sapato está em sua mão que se encaixa, e isso é tudo que ele tem
Um apito através de seus dentes e saliva, mas está tudo bem

Oh bem, um toque de cinza, te veste de qualquer jeito
Isso é tudo que eu tinha a dizer, mas está tudo bem
Eu vou superar
Eu vou superar
Eu vou superar
Eu vou sobreviver.

É uma lição para mim, os demônios e o leste livre
O ABC que todos nós temos que enfrentar, para tentar manter um pouco da graça.