Total de visualizações de página

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Juízo Final(final)

O Juiz:  Em todos estes anos de jurisdição, jamais vi um caso como o do Senhor Roderick
            Verden.  Ele é um indivíduo à parte, atípico, não convencional. Viveu sua vida inútil,
             com ambiguidade; vivendo por viver; com vontade de morrer, mas sem coragem
             para se matar.  Realmente, é um solitário, que carece de amor pela humanidade,
             pelas coisas.  Monomaníaco, as poucas coisas que ficaram na sua vida, foram a
             música -com ênfase ao rock- e a internet.  Durante sua passagem pela Terra,
             não fez falta para ninguém. Alguns gostaram do Roderick Verden, mas porque
             não o conheciam a fundo.  Alguns choraram com a sua morte, mas não choraram.
             Dá para entender, correto?  Sua mãe, realmente, choraria, contudo, mãe é sempre
             mãe, não?
             Por onze votos a favor e dois contras, Roderick Verden é condenado a não ter
             paz.  Ele voltará a viver. Não ficará sabendo onde viverá. Somente, pode-se
             adiantar que voltará a viver sofrendo com os constantes problemas, em busca
             de dinheiro; na luta pela sobrevivência, a conviver com quem ele não gosta.

R.V.: Nãaaaaaaaaaaaaoooooooooooooooooooo...
          

Juízo Final(continuação)

O Juiz:  A sessão continua.  Com a palavra o Promotor.

O Promotor:  Senhor Roderick Verden, tu renegastes Deus.  Contraditório(outro dos seus
                      inúmeros defeitos), ao mesmo tempo em que diz não acreditar em Deus,
                      afirma não confiar e nem crer em sua bondade. O senhor é tão desprezível
                      que não gosta até mesmo do criador de todas as coisas.
Roderick Verden:  Não há como provar a existência de Deus e, modéstia à parte, penso
                            como uns poucos sensatos, que se Deus existir, ele não é perfeito nem
                            bondoso, já que criou o homem, um ser tão imperfeito. A natureza é
                            selvagem, violenta, predadora. "O sofrimento é a lei de ferro da natureza".
O Promotor:  És isento de humildade, Senhor Roderick Verden!
R.V.:  Jamais concordarei e, evidentemente, gostarei de um mundo , no qual não vivemos
         sem problemas e cuja coisa principal é o dinheiro; um mundo injusto, conturbado e
         hipócrita!

O Promotor:  Seu destino final , na Terra, foi patético!  Terminou na sarjeta, sobrevivendo
                      graças a caridade alheia!  Perdeu tudo, do pouco que tinha, porém, não perdeu
                       a arrogância!
R.V.: Digo que não perdi a minha dignidade e nem meu senso crítico.
O Promotor: Dignidade?! O senhor, certamente, não deve saber o significado de tal palavra.
                     O senhor se tornou um farrapo humano, um ser digno de dó, pelas pessoas
                     piedosas.

O Promotor:  Sua falta de amor pelas coisas, é tamanha, que nem gostas de animais, já
                      que não quis  ter animais de estimação.  Sempre preferistes preocupar ,
                      viver só consigo mesmo, senhor Roderick Verden!
R.V.: Não vejo nada de errado em não gostar de ter animais de estimação, e isso não significa
        que desgosto dos animais.  Gosto deles, mas sem o sentimento de posse.
O Promotor:  Falácia, falácia...

O Promotor:  Complexado, nunca aceitou seu físico, sentindo um enorme desconforto
                       por ser feio e franzino.
R.V.: Nunca gostei mesmo e tenho tal direito.

O Promotor:  O senhor foi visto com antipatia e desdém por muitos e muitos.
                      Era tido como prolixo... um chato!
R.V.: Se incomodei os outros, algumas vezes, parei com tal coisa e cheguei mesmo
        a me retratar.  Detesto incomodar as pessoas e ser injusto. Com o tempo, percebi
        as delícias da solidão.
O Promotor: Isto não passa de uma fuga, já que és um covarde. Nenhum homem nasceu
                     para viver sozinho, nenhum homem é uma ilha!
R.V.:  Sou uma ilha e ninguém vai me doutrinar, mudar minha mente, já que adoro viver
         só.
O Promotor:  Sua mediocridade, inexpressividade, falta de carisma, de inteligência, seus
                      incontáveis fracassos e erros, o impeliram para a solidão.
R.V.: Pense o que quiser.  Sou mais eu!
O Promotor: Ah, a mesma conversa mole(e pretensiosa), de sempre. Sabemos sobre a
                     LL, sua última tresloucada, irracional(e pretensiosa) paixão.
                     O senhor é um homem tão repugnante, Mr. Roderick Verden, que tratou
                     com uma imensa estupidez uma mulher a qual dizia que amava.
                     Não confiava nem um pouco na sua amada.  O senhor não confia em
                     ninguém, nem em si próprio!  Mais um defeito: és inseguro/desconfiado.
R.V.:  Pra mim chega!!!  Chega!!! Chega!!!

O Juiz: Ordem no tribunal!  Continue, Promotor.
O Promotor:  O senhor Roderick tinha um ódio mortal por grande parte de seus desafetos.
                      Tal atitude, denota pobreza de espírito.
R.V.:  Alguns desafetos tinham mais é que morrer mesmo, se danarem!
R.V.: Continuo  firme com as  minhas convicções, e só quero ter paz.

 O Juiz: Mais alguma coisa, Promotor?
O Promotor: Nada mais tenho a dizer.
O Juiz:  Mais alguma coisa, Senhor Roderick Verden?
R.V.: Nada mais, a não ser paz.

O Juiz: A sessão fica suspensa por alguns instantes, para que os jurados deem o veredito.



                     

Juízo Final

Roderick Verden: Que lugar é este?  Quem é você?
O Estranho: Ah, não sabe que lugar é este, Roderick Verden?
R.V.: Por que me chama pelo nick, o qual  uso no meu blog?
        Como você sabe quem sou eu?
O Estranho:  Você é tão revoltado e implicante , que não gostava nem do seu nome verdadeiro, daí te chamo pelo seu paranoico, pomposo e ridículo codinome.
R.V.: Peraí, cara, não admito que você me ofenda!!!
O Estranho: Quem é você pra exigir alguma coisa?  Aqui você não manda nada!
R.V.:  Quero sair daqui!
O Estranho:  Deixe de histeria! Você morreu, não pertence mais ao planeta Terra, seu chato!
R.V.:  Não é possível... não me lembro de nada, a não ser que eu morava na fazenda de um primo.
O Estranho:  Venha comigo.

R.V.:  Mas o que significa isto?  Este tanto de gente... está me parecendo um juri(?!).
O Estranho:  É, "nobre" Roderick Verden, é um juri, e você será julgado.  Seu dia do juízo
                     final chegou.
R.V.: Bem, estou vendo um juiz, os jurados, um juri e um homem sisudo, que aparenta ser promotor.
O Estranho:  Acertou.
R.V.:  Não estou vendo meu advogado.
O Estranho:  Seu advogado? ká ká ká... neste juri não existe advogado; você que tem que se
                     defender.
R.V.: Ok, nunca confiei e gostei mesmo de advogados.
O Estranho;  E é novidade você não gostar de algo ou de alguém?

O Juiz:  Senhor Roderick Verden, pesa sobre ti diversas acusações graves, pela vida
            que levou, viveu na Terra.  Com a palavra o promotor.
O Promotor:  Sua ficha é extensa!  São tantas as acusações, que não sei por onde começar...

O Promotor:  Vamos , então...o senhor é acusado de ser genioso, preguiçoso, rancoroso,
                      egocêntrico, lerdo, ranzinza, egoísta, comodista, mal agradecido, fantasista/
                      /sonhador, luxurioso(mais na fantasia do que com atos), impaciente, medroso,
                      covarde, sarcástico, irônico. Você não gosta de ninguém, Roderick Verden!
R.V.: Eu protesto! Sou imperfeito, claro, afinal nasci no planeta Terra.  Tentei fazer as
        coisas certas; tentei me adaptar à vida, mas, não consegui.  Não sou pior e nem mais
        ruim do que os outros.  Tenho auto-crítica, reconhecendo minhas limitações.
O Promotor:  Isto não é suficiente!  Você nunca mudou;sempre viu apenas seu lado.
                      Foi mau filho, mau irmão, mau marido, mau amigo.
R.V.: Olha, já nem importo mais com isto. Minha consciência até que dói um pouco no
         tocante ao meu irmão. Mas, ele e eu somos polos opostos.  Meu irmão é muito
         egoísta, grosseiro, interesseiro, às vezes seco; é cínico, orgulhoso, prepotente.
         E tem mais, as pessoas que me cercaram, as quais convivi, estavam longe de serem santas
         incluindo meus pais, que, como outras pessoas, também foram injustas comigo.
O Promotor: É, todo mundo foi injusto com o Roderick Verden. Outra acusação que pesa so
                     bre si: tens mania de vítima.

O Juiz: O juri está suspenso, por alguns momentos.  Voltaremos mais tarde.





segunda-feira, 17 de abril de 2017

É tão difícil

É tão difícil(John Lennon)


Você tem que viver
Você tem que amar
Você precisa ser alguém
Você tem que empurrar
Mas é tão difícil, é realmente difícil às vezes eu sinto que estou indo abaixo

Você tem que comer
Você tem que beber
Você tem que sentir algo
Você tem que se preocupar
Mas é tão difícil, é realmente difícil
Às vezes eu sinto que estou indo abaixo

Mas como é bom
Realmente é bom
é  quando eu lhe seguro nos meus braços baby
Às vezes eu sinto que estou indo abaixo

Você tem que correr
Você tem que se esconder
Você tem que manter sua mulher satisfeita
Mas é tão difícil, é realmente difícil
Às vezes eu sinto que estou indo abaixo.

John Lennon, considerado um gênio, um Deus para alguns, em 1971, mostrou sua fraqueza.
Se era difícil para ele, imagine para mim, que vivo a contra-gosto neste planeta.
Sou um sujeito sem estrutura (e amor) alguma para viver, e estou beirando os 61 anos.

John Lennon diz que tem um consolo: abraçar a mulher amada. Certamente, ele falava da Yoko, não?rs.
Quanto a mim, sem dinheiro, sem glamour, sem ser cativante, velho e magrelo, super irritado até com as mínimas coisas, nenhuma mulher seria o suficiente maluca para querer deixar eu abraçá-la.   Ainda tenho ereção, mas não tenho mais coração(rimou, hein?). Tudo, mas tudo pra mim é muito difícil!  Tudo está acabado pra mim.  Minha vida acabou, mas, infelizmente, continuo vivo.
O cansaço que sinto é terrível!
Não consigo mesmo acordar deste pesadelo, que se chama vida e, no final de maio, completo 61 anos.
O que? Querem que eu vire o disco?  Bem, e olha que tenho muita intimidade com disco, já que sou um ouvinte contumaz de som.  Ah,  quem me dera conseguir virar o disco e falar de coisas boas, dizer que estou bem! Parece que isto só acontecerá quando o pesadelo terminar.
Entenderam?

terça-feira, 11 de abril de 2017

À procura pelo(s) diabo(s)(2)

O que pouco gente sabe é que bem antes do rock existir, um músico erudito, oriundo do século dezenove, era acusado de ter feito um pacto com o diabo.
Era o violinista e compositor italiano, Paganini.
O talento do músico era tanto que os ouvintes afirmavam que com tanta habilidade, Paganini só podia mesmo ter feito uma parceria  com o "anjo caído".
A vida dele é interessantíssima... leiam: http://www.assombrado.com.br/2013/02/a-lenda-de-niccolo-paganini.html

Incrível como o ser humano é: o diabo tem muito poder, tanto que pode ajudar a um cidadão a ser super talentoso, um gênio, cheio de glamour e dinheiro!

Neste planeta confuso , misterioso e conturbado, há até quem pense que a Terra foi criado pelo diabo.  Outros afirmam que o Deus criador é um Deus inferior, o Demiurgo.
Muitos religiosos creem no dualismo: Deus x Diabo, acreditando que um dia o conflito, a guerra, acaba, com a vitória de Deus.
E os justos continuam pagando pelos pecadores...
A guerra entre Deus e o diabo nunca termina...

Eu, simplesmente, sou mais um que crê que tanto o diabo como Deus são criações humanas; são seres fictícios.
É cada um pra si, sem Deus e sem o diabo na jogada.
Cada qual que se vire!

Entretanto , há umas duas semanas que andei a procura do diabo.
Na verdade, me enganei, eu procurava pelos diabos, uma banda alemã bem obscura.

Há uns nove anos, baixei e gravei , pela internet, alguns singles de obscuras bandas alemãs.
Uma delas, se chama The Devils(Os Diabos).
Sendo que só agora tive curiosidade de saber mais sobre os músicos.
Eu havia escrito no encarte do cd que o nome da banda era The Devil, contudo, ao pesquisar na net, percebi que o nome verdadeiro era The Devils.

Não há nenhuma informação a respeito do The Devil, a não ser um cd, à venda no site "Discogs", com outras desconhecidas bandas alemãs, oriundas dos anos 70.
Eis o site:https://www.discogs.com/Various-Psychedelic-Gems/release/1483787

Somente três músicas.  A sonoridade não me pareceu satânica.
Os títulos, traduzidos, das canções, são bem interessantes:  "Caminho do Amor", "Escuridão" e "Mundo de Desejos Vazios"( título bastante realista).

Abaixo mais coisas do diabo.rs

          Erica Gavin
      Zeudi Araya
          Charlotte Rampling
      Virna Lisi













     Pra não perder o costume, Claudia Cardinale
                                 Alguém sabe quem é esta?rs


À procura pelo(s) diabo(s)

É muito falada a ligação dos músicos de rock com o diabo.
Dizem que a dupla principal dos The Rolling Stones, Mick Jagger e Keith Richards, fizeram um pacto com o demônio.
Há quem diga que num disco do Pink Floyd há uma mensagem secreta: "I love Satan".
Raul Seixas, em uma de suas músicas, afirma que o diabo é pai do rock.

O Kiss, na primeira vez em que esteve no Brasil, foi alvo de severas críticas...
inclusive, ouvi numa estação de rádio , um pastor evangélico indignado pelo fato do país receber uma banda a serviço do diabo.  O pastor , assim como um tanto de gente, acreditava que o significado de Kiss não seria Beijo e sim  Cavaleiros Internacionais a Serviço de Satã.
Gene Simmons, que bolou o nome do conjunto, já afirmou que Kiss significa mesmo é Beijo.
Porém, acho mais provável de ser, realmente, Cavaleiros Internacionais a Serviço de Satã.
Beijo é um nome muito singelo, doce, para uma banda nada sutil , liderada por um mercenário/perfeccionista , mulherengo(é o Gene Simmons).

O famosíssimo Black Sabbath foi considerado um conjunto satânico.
No seu primeiro álbum, na primeira música "Black Sabbath", o autor narra uma pessoa sendo perseguida por ninguém menos que o diabo.  O infeliz faria parte de um culto demoníaco, seria sacrificado.  Na música seguinte, "The Wizard"(O Feiticeiro), um feiticeiro irá salvar a humanidade... é um bruxo do bem.
Mas, na faixa "N.I.B" , é dito: "meu nome é Lúcifer; por favor, tome minha mão".

E o Black Sabbath gravava músicas anti-bélicas, preocupados até com o futuro das crianças.
No terceiro álbum, o guitarrista Tony Iommi escreveu uma canção que faz apologia à religião, aconselhando aos outros a seguir o caminho de Deus...

Na verdade, o Black Sabbath não era tão satânico assim.
Quem cultuava mesmo o diabo, o invocando, era a banda inglesa Black Widow(Viúva Negra), contemporânea do Black Sabbath.  Contudo, o amor ao diabo só foi exposto no primeiro LP.
À partir do disco seguinte, nada de adorar o demônio.

E existe uma banda alemã, que canta em inglês, chamada "Lucifer"s Friend".  Na música , com o título homônimo, um indivíduo treme de medo ao ver a figura do Amigo do Diabo, querendo levá-lo para o além.  Não obstante, "O Amigo do Diabo" não era tão satânico assim, a ótima banda compôs  letras comuns e até líricas, românticas.  Uma de suas canções , "Mother", muito se identifica comigo:  "Mãe, você sempre pensou que eu não conseguiria sobreviver sozinho..."

... continua...

Mais morte(s) no rock

As coincidências da vida:
Hoje, de madrugada, escutei um cd, de mp3, do tecladista Keith Emerson, "Inferno".
É uma trilha sonora.  Não é um disco ruim, mas não é lá essas coisas.
Baixei e gravei pela internet, há anos; porém esqueci de anotar o nome das músicas.

Agora, aqui na biblioteca, ao ir atrás dos títulos das canções, fiquei sabendo que o grande Keith Emerson morreu no ano passado, aos 71 anos.
Causa da morte?  Suicídio, com um tiro na cabeça.

Sua namorada, uma oriental bem bonita, com idade para ser sua filha, é que achou o corpo sem vida.  Segundo ela, Emerson estava muito deprimido.  Ele tinha sérios problemas na mão e no braço direito, o que , logicamente, estava dificultando suas performances no palco.  Foi criticado pelos críticos, que o aconselharam a se aposentar.

Um dos melhores tecladistas do rock, quiçá o melhor, Keith Emerson atuou em duas bandas: The Nice e o mais que famoso Emerson, Lake & Palmer.

E não foi só ele que "partiu desta para outra melhor", seu companheiro de banda, Greg Lake, morreu, no mesmo ano, nove meses depois da morte de Emerson.
Causa mortis: câncer.  Ele tinha 69 anos.
Também fiquei sabendo agora, do seu falecimento.

É, os roqueiros tão que morrem...

O inesquecível trio Emerson, Lake & Palmer


Abaixo, o velho Keith Emerson com sua jovem (e bonita) namorada, Mari Kawaguchi.