Total de visualizações de página

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Dia Maravilhoso!

Bem estranho o título "Dia Maravilhoso", devido eu ser um pessimista, um amargurado contumaz.

Há uns poucos anos atrás, eu sonhava com um dia maravilhoso, que seria o dia em que conheceria pessoalmente a minha última paixão amorosa.  Ela dizia me corresponder.  Eu planejava a apresentar para a ex-faxineira da minha saudosa mãe, dizendo:  "É o amor da minha vida.". Tudo em vão, nada de dia maravilhoso...

Mas, hoje é Dia da Música(e dos músicos).
Meu astral, neste momento, está melhor.
O fato de estar baixando e gravando , em mp3, alguns discos da minha coleção de vinis, vendidos em 2014, me ajuda a ficar mais animado(ou menos desanimado).  Até agora, baixei e gravei 641,da coleção de 1238.  E ainda tenho baixado, um pouco, discos que eu não conhecia, praticamente todos dos anos 70.
Creio que é a música que ainda me mantém vivo.  Vivo para a música!

E, recentemente, fiquei sabendo que mais um grande roqueiro morreu, John Wetton.
Que coincidência, já que sempre achei-o bem parecido, de voz e de aparência física com outro grande roqueiro, Greg Lake.  Ambos eram baixistas, compunham músicas românticas e atuaram em bandas como o King Crimson e Asia.
Quando Greg Lake ficou mais gordo, o mesmo aconteceu com John Wetton.
E Wetton morreu menos de dois meses, depois de Lake, igualmente foi vítima de câncer.  Ambos sessentões, beirando os 70 anos.

John Wetton era um dos reis do refrão, aquele lance de ficar repetindo em demasia o título das músicas, nas melodias.  Às vezes, ele até enchia o saco, excedia...
Cheguei a ficar p. da vida, quando ele enveredou para o comercialismo, mormente na banda Asia.
Mas, Wetton era um grande artista.  Tocou em diversas bandas; além das que citei: Roxy Music, Uriah Heep, Wishbone  Ash e no mais que ótimo UK.
No UK, ele , com sua bela voz, acompanhado por um time de músicos excepcional, brilhava, como brilhava!  Foram apenas 3 discos, sendo um ao vivo.  E no UK, nem sempre ele abusava dos refrões.
"Danger Money" é uma obra prima.  Wetton parecia amargo.  Na faixa título, faz críticas ao Deus do mundo(o dinheiro), à ganância, revelando, censurando os que se vendem por Money!  E ele, não se vendeu?  Mas, que era um grande músico, isto era!

                                           Greg Lake
                                            John Wetton
Greg lake
                                                             John Wetton
Greg Lake
                                           John Wetton

OBS.: Deu problema na hora de postar as fotos, por isto não saíram na sequência que eu queria.

Sem Você(John Wetton)

Olhando para o nosso amanhecer
Refletido em seus olhos claros
Misteriosa Manhã fumaça dos incêndios florestais
Faça o nosso caminho pelo dia quebrado
Eu não aguentava ficar
Sem você
Nós estamos nos movendo
Enquanto a luz clareia
Deixando seu mundo escuro atrás de você
Você tem que correr
A vida está apenas começando
E você nunca está sozinha
Sem você
Um pensamento frio
Vamos gritar no escuro
Eu vi uma lua amarela à meia-noite
E agora você acorda
Brilhando na fumaça
De repente, estou sozinho
Sem você
Quero as coisas do jeito que costumavam ser
Você não sabe o que pode fazer pra mim
Mais um dia, talvez nunca
Poderia muito bem ser para sempre
Fora da luz, desaparecendo como eu escrevo
E outra noite me faz lembrar
Como eu durmo, a memória que guardo
É apenas mais uma noite
Sem você
Isso parece tão longo
Eu estou segurando firme
Desde que Eu senti meus braços em torno de você
Tempo vai passar,ambos de nós vamos saber que
Nunca será dia
Sem você
 

terça-feira, 7 de novembro de 2017

E o morto-vivo continua a viver...

Eu havia colocado o monitor do meu estragado computador à venda, numa papelaria, por 300 reais.
E havia também pensado em fazer uma proposta para o dono da loja, já que o monitor está encalhado...  Numa loja que vende artigos usados, dois computadores completos estão bem mais baratos do que o preço que eu pedia para o monitor.
Então, ontem, fiz a proposta: 100 cds virgens de mp3 e 100 reais em espécie, a troco do monitor.  O proprietário da papelaria aceitou...

Há uns poucos meses, eu pedi ao primo que financiasse uns 10 reais mensais de cds de mp3, para que eu continuasse a gravar os discos que tive em vinil.  Ele aceitou.  Eu baixava e gravava aproximadamente 8 cds por mês.

De posse de 100 cds, não preciso, por uns tempos, que o primo gaste mais estes 10 reais mensais comigo.

De ontem pra hoje, gravei 8 cds.  Da coleção de vinis, que vendi há três anos, completei, dos 1238 vendidos, 615 cds em mp3.  Praticamente, consegui recuperar 50% da minha amada coleção, graças à internet e aos bondosos blogueiros, não esquecendo também da biblioteca da cidade interiorana, onde gravo os discos, de graça!

Desde quarta-feira passada, tenho dormido melhor.  Vero que ainda estou muito nervoso e detesto viver numa casa sem forro, como vivo atualmente.

Na mesma quarta-feira, me desentendi com uma das faxineiras, que faz limpeza na casa de luxo do primo, na fazenda(são duas que limpam a casa, quinzenalmente).

Eu e o caseiro não mais conversamos, nos ignoramos.  É bom não ter mais conversa com ele.
Não sei se ele contou, como disse que iria contar, sobre o desentendimentos que tivemos, para o primo.  E acho bem possível que a faxineira, que é pequena de estatura e grande na prepotência, tenha contado para a esposa dele, sobre eu ter me desentendido com ela.

E o primo está com ideia fixa : milho.  Ele mandou plantar, cercando a casa onde moro, praticamente , toda, de milharais.  Mais milho, possivelmente, mais morcegos, insetos e ratos... e mais movimento de empregados e pessoas, em volta do meu lar.

Apesar de tudo, no momento, estou tranquilo.  Mas, temo o que pode vir depois...
Não consigo deixar de lembrar de um conhecido, o qual eu tinha pouca intimidade, que, uma vez me disse: " a coisa que eu mais tenho medo da vida é de gente".
Também tenho medo das pessoas,e como!  Tenho medo de alguns animais.  Na verdade, apor alguns tenho ojeriza, principalmente o maldito pernilongo, que tenho até pensado que é pior a que o ser humano(rs).  Tenho medo, muito medo da vida, temo o dia de amanhã, temo os minutos que virão.  Se existir um criador do Universo, tenho medo dele.
"São demais os perigos da vida".

E estou pesando 50 quilos e novecentos gramas. Quase 51 quilos, para 1,72 de altura. Sublime, não?

E o morto vivo aqui continua a viver sua enfadonha vida sem sentido...

terça-feira, 31 de outubro de 2017

A bruxa está solta

Ontem, à noite, ouvi, com deleite, o álbum "Tales from Topographic Ocean", do Yes e o álbum do Genesis, "And then There were Three".  Ambos contidos em dois cds de mp3.  Tive os vinis, que foram vendidos entre os 1238 discos que vendi para um lojista.
Alegria por voltar a escutar discos que tanto fizeram a minha cabeça e tristeza por não tê-los mais em vinil.

Tive sorte, porque no finalzinho do disco, começou a chover e a trovejar.
Chuva bem vinda, já que precisamos dela...
Pintou uma goteira entre a cozinha, perto da porta do banheiro. Não posso reclamar, pois mesmo em casa de rico, há goteira, e ela caiu no chão, não em algum objeto da casa.

Novamente, dormi mal.  Rolei e rolei na cama...
Mesmo com a chuva, no término dela, o(s) maldito(s) pernilongo(s) me incomodou. Mais uma vez, me vi obrigado a acender um repelente, e o pernilongo demorou a se afastar.
Graças à "deliciosa" primavera, sapos, num barulho similar a máquinas, me perturbaram.  Antes disto, a poluição sonora foi patrocinada pelas cigarras.

Viva, bem de madrugada, consegui dormir!  Devo ter dormido umas três ou duas horas... já é alguma coisa, não?

Há, mais o Sr Destino é muito bom e viver no campo é prazeroso... logo de manhã, ao abrir uma das janelas, fui premiado com uma caixa de marimbondos.  Destruí a caixa, com uma vassoura, mas os marimbondos voltavam... e assim foi a manhã... A casa estava mais suja do que o normal. Eu insistia em espantar os marimbondos, até que , finalmente, para o deleite, creio eu, do Sr Destino, fui picado por eles.  No punho, no cotovelo e no rosto, bem próximo de um olho.  Tudo inchado...
Ah, já ia me esquecendo, o sabiá, que pensei ter sumido, voltou a me visitar...

Um ano e dois meses morando na fazenda,e, pela primeira vez, pinta uma caixa de marimbondo.

Em dez meses residindo na fazenda do primo, só precisei usar repelente de pernilongos, umas cinco vezes.  De lá pra cá, todos os dias acendo um espiral, para me livrar dos malditos insetos.

Foi a primeira vez, também , que um pássaro invadiu a casa, em plena luz do dia, chegando até a defecar na minha cama.

Durante um ano, não tive problema com o caseiro. Em dois meses, tivemos duas  fortes discussões.

É, mas eu que sou o errado.  Eu, que gosto de confusão, que tenho uma facilidade enorme em não gostar das pessoas... eu que sou exigente, cheio de frescuras, de não me toques, que não gosto nem mesmo do próprio criador da Terra.

Estranho é que já morei em casas/barracões mais precários ainda do que onde moro atualmente.
O barracão, da fazenda anterior, era quase metade menor do que o atual, e eu gostava de viver lá. Passava noites tranquilas... dormia bem...

Eu, que quando trabalhava, não tinha vergonha de carregar e de comer de marmita, como muitos tem.

Eu, que quando morava em casas confortáveis, de classe média, com os meus pais, nunca desfiz de gente mais pobre.  Eu, de pele clara, que sou uma das raríssimas pessoas, no Brasil, que não é racista.

Mas, eu odeio.  Não consigo amar e nem perdoar meus inimigos/desafetos. Quero o mal deles. E, no momento, minha ira está focado no caseiro da fazenda.

Fica o suspense: como será a reação do primo, ao saber do desentendimento entre o caseiro e eu?

Vale lembrar, que há pouco, o primo me falou que só estava ainda com o caseiro na fazenda, pelo fato dele ser muito bom de serviço.
O caseiro é o tal de "pau para toda obra".  Faz  tudo, com rapidez e eficiência, mandado pelo primo.
Reclama que trabalha em excesso e é mal remunerado(isto é verdade).
Volta e meia, fala em pedir demissão.  Não se entende com o J.B., que presta serviços na fazenda(por umas três vezes, notei, que ele desentendeu com o mesmo, chegando a falar comigo que tinha ânsias de puxar o revólver pra ele).
Sua esposa, que é desafeto da mulher do meu primo(as duas não se falam), não está satisfeita na fazenda. 
O primo , também, já foi alvo da ira do irado caseiro.
Ah, há pouco tempo, a polícia foi até a casa do caseiro, porque denunciaram que ele estava escondendo armas de  um traficante. O policial foi acompanhado do meu primo.
Segundo o caseiro, que negou dar guarida para traficantes,a polícia não revistou a casa(!?).
Ainda segundo o caseiro, o traficante é amante de sua irmã(ela é casada-rs), e que ele desconhecia, até então, que o cara era bandido...
Pra piorar a situação, eu o caseiro nos desentendemos feio, com ele afirmando que o ameacei de morte...

Outro grande problema é que posso virar uma espécie de bode expiatório.  Se o caseiro pedir demissão, talvez me culpará pelo fato.  E o próprio primo pode também me culpar.
Mas, jamais me retratarei pelo que fiz,mesmo com minha integridade física correndo risco,mesmo sujeito a diversos tipos de provocações e represálias.
E não é improvável que o primo me expulse da fazenda.

Infelizmente, as coisas só estão piorando... a bruxa está solta!
Não dizem que depois da tempestade, vem a bonança?
Ela não virá pra mim?  Por que?  Até quando?

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

"O estrago da vida nunca termina"(2)

Bem, ando cada vez mais com o saco cheio de ficar rastelando folhas.
Porém, a pior coisa na fazenda é, justamente, morar numa casa sem forro.
Das 23 residências em que morei, esta é a única que não tem forro.
É comum as noites serem tristes e desagradáveis. É bem incômodo dormir com o rosto coberto, afinal não é nada agradável ser urinado por morcegos e ser alvo de quedas de besouros(dois fatos que já ocorreram comigo na casa).
E é nesta casa/barracão, o local que, em toda minha vida, eu dormi bem mal, o pior lugar , no tocante a insônia, ao incômodo de me deitar... dá até tristeza quando chega a noite, que parece ser interminável.

No sábado, à noite, pra minha surpresa, o caseiro chega no meu lar e me pede 20 reais emprestado... eu o empresto... Ele diz que no domingo, à tarde, quando receber o pagamento do primo, me pagaria.
O dinheiro era para colocar gasolina no carro. Ele iria numa festa.

Não gostei nem um pouco de emprestar dinheiro pra ele, depois do imbróglio, ocorrido há dois meses, quando discutimos, porque ele ficou irritado de eu ter cobrado um empréstimo , pedido pelo seu filho.
Achei muita cara de pau dele e falta de vergonha na minha cara, por ter emprestado a grana.

Á Tarde, percebi que meu primo, como faz, em todos os domingos, chegou de carro, na casa grande, e , logo em seguida, se foi.  E nada do caseiro me pagar...

Irritado, fui até a sua casa cobrar... Não havia ninguém no lar.
Deixei um recado, avisando da cobrança e falando da cara de pau dele e da falta de vergonha minha.
Falei que se ele não tinha ainda o dinheiro pra me pagar, deveria me avisar.
Manifestei meu descontentamento com ele e sugeri que não mais conversássemos um com o outro.
Lembrei que briga de homem , costuma resultar em morte e que se não mais tivéssemos contato, seria melhor pra todos.

Mais tarde, à noite, enquanto eu ouvia música, sentado no quarto, ele apareceu.
Não abri a porta e pedi que ele passasse os 20 reais por debaixo da porta.
Ele fez tal coisa e falou que no dia seguinte conversaria comigo.

Hoje, de manhã, o caseiro apareceu em meu lar, irado.
Discutimos muito!
Ele pôs na cabeça que lhe ameacei de morte, o que achou um absurdo, um ultraje!
Mas, na verdade, não o ameacei, apenas lhe lembrei do perigo de uma discussão acirrada entre dois homens.  Ele, com a mensagem que lhe deixei, no dia anterior, falou que contaria o fato para o meu primo. Decidimos não mais conversar um com o outro, lógico.

No dia em que ele me pediu o dinheiro, me avisou que colocaria a lona no meu quarto, para amenizar a invasão de bichos.  Na mensagem que deixei, eu disse que não queria mais que o mesmo fizesse tal serviço.  E , no nosso bate-boca, o caseiro,como esperado, claro, avisou que não colocaria a lona.

Um serviçal, que costuma prestar serviços na fazenda, presenciou a briga.
Ele já trabalhou na outra fazenda, onde morei, junto com seu irmão, que ainda presta serviços pro casal 0.  Certamente, que a briga chegará aos ouvidos da prima e do seu marido...

Minha situação na fazenda fica mais crítica ainda.  Até mesmo minha integridade física está em jogo.
Certamente, sua esposa, que sempre me tratou tão bem, não mais conversará comigo.
E a reação do primo?

No nosso "diálogo", o caseiro falou que não gostava de confusão e eu retruquei que sou amante da paz.  Porém, sou tão incompetente que mesmo amando a paz, detestando confusão, só vivo em guerra, conflitos, distante do sossego, longe da quietude...

E, novamente, afirmo que me impressiona o fato de ainda estar vivo e com saúde.

Andei falando que tive um sequência de 4 anos péssimos: 2014,2015,2016 e este.
Mas, me esqueci de 2013, que foi horrível também.
Até quando um homem, uma pessoa, pode aguentar viver tão desiludido, em conflito direto com a vida, com muitos dos seus semelhantes, um homem que perdeu tudo, até mesmo o pouco que tinha?
"O estrago da vida nunca termina" e a paz e o descanso, ao que parece, nunca chegarão!

"O Estrago da vida nunca termina"(1)

Desde terça-feira passada, as coisas não andam boas pra mim.

Quem me lê, talvez rirá do que contarei agora.
Ao chegar em casa, na terça-feira, por volta de meio dia, logo depois que lanchei, recebi uma inusitada visita, bem desagradável, por sinal: um pássaro, talvez um sabiá, que ficou sobrevoando o barraco , sem forro... Com um pouco de dificuldade, o expulsei, mas constatei um incômodo fato: ele defecou na minha cama, bem onde fica o travesseiro, que, felizmente, não estava no colchão, no momento.
E o pássaro, que estava criando um ninho no telhado sem forro, me perturbou até sexta-feira.
Por sua causa, para evitar mais "cagadas", tive que mudar a disposição do quarto, que ficou mais apertado...

Os morcegos, que nunca sumiram,de fato, me incomodaram um pouco, neste ínterim.
Contudo, na quinta-feria, à noite, quando eu ouvia música, sentado na cama, um destes mamíferos que voam, entrou no quarto, totalmente desgovernado.  Levei um susto.  Ele quase trombou em mim. Chegou a encostar na cama e numa cadeira, ao lado, até que caiu no chão, sem mais condições de voar. O matei. Tal acontecimento, foi a gota d'água para eu explodir de raiva, afinal, estou cansado de morar com morcegos, bruxas, pássaros e passarinhos, besouros e insetos de diversas espécies, incluindo o mais nefando de todos, o famigerado pernilongo.
No momento , cheguei a pensar em ir na casa do caseiro, pedindo que ele desse um recado pro meu primo, avisando-o que eu não moraria mais na fazenda. Contudo, refletindo melhor, lembrei que na sexta-feira, ele(o primo) estaria na roça. Então, deixei o recado para a mulher do caseiro, no dia seguinte, revelando o que passei, o que tenho passado.

No sábado, contei o fato pro meu primo e sugeri que ele colocasse forro no telhado ou ,ao menos, uma lona, apenas no meu quarto.  Pensativo, o mesmo disse que iria pensar no assunto.

Mas, o pior ainda estaria para acontecer...

... continua...

terça-feira, 24 de outubro de 2017

A Maçã

A Maçã
Raul Seixas


Se esse amor
Ficar entre nós dois
Vai ser tão pobre amor
Vai se gastar...

Se eu te amo e tu me amas
Um amor a dois profana
O amor de todos os mortais
Porque quem gosta de maçã
Irá gostar de todas
Porque todas são iguais...

Se eu te amo e tu me amas
E outro vem quando tu chamas
Como poderei te condenar
Infinita tua beleza
Como podes ficar presa
Que nem santa num altar...

O Raul Seixas, até que não deixa de ter razão.
A carne é muito fraca, sendo difícil ser fiel, ficar a comer apenas uma maçã.

Falando nisto, há muito temo que não como uma maçã, tanto a fruta como a mulher.

A última maçã, a qual desejei, me apaixonei, não consegui saboreá-la.
Apenas olhei, conversei, galanteei , pasmem, apenas no mundo virtual.  A árvore da tal maçã ficava em outro Estado do Brasil.

Não tenho comido maçã(a fruta), pasmem(2), devido o preço estar caro para mim.
A maçã/mulher, a qual um dia me apaixonei, também era cara, difícil, não era uma fruta pra qualquer um... além do mais, não tenho a cara apropriada para possuir uma maçã tão especial.
E não tenho tantas outras coisas, igualmente.  Era uma maçã difícil, praticamente impossível de se alcançar.  A árvore era alta demais!

E já está quase chegando a hora de eu ir embora, para a fazenda.
A mesma angústia surge em mim.  A mesma saudade da minha internet diária.
Os mesmos medos me invadem...

E fiquem com uma grande variedade de maçãs.  Infelizmente, todas dificílimas de se saborear(a não ser com os olhos, com a imaginação).
























Peter Cushing, tido como homem sério e discreto, sentiu demais a morte prematura de sua esposa.  Nunca mais se casou... Mas, reparem sua mão boba.rs






segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Uma questão de balanço

Questão(Justin Hayward)

Por que nós nunca obtemos uma resposta
Quando estamos batendo na porta?
Com mil milhões de perguntas
Sobre o ódio a morte e a guerra.

Foi onde paramos para olhar à nossa volta
Não há nada que precisamos.
Em um mundo de perseguições
Que está queimando em sua ganância.

Por que nós nunca obtemos uma resposta
Quando estamos batendo na porta?
Porque a verdade é difícil de engolir
É para isso que a parede de amor serve.

Não é a forma que você diz
Quando você faz essas coisas para mim.
É mais a forma como você quer dizer
Quando você me diz o que vai ser.

E quando você para e pensa sobre isso
Você não vai acreditar que é verdade.
Que todo o amor que você está dando
Foi Todo feito para você.

Estou procurando alguém para mudar a minha vida.
Estou à procura de um milagre na minha vida.
E se você pudesse ver o que foi feito de mim
Para perder o amor que eu conhecia
Poderia Com segurança me guiar

Entre o silêncio das montanhas
E o bater do mar
Lá está uma terra em que eu vivi.
E ela está lá esperando por mim.

Mas no cinzento da manhã
Minha mente se confunde
Entre a morte e o sono
E a estrada que eu tenho que escolher.

Estou procurando alguém para mudar a minha vida.
Estou à procura de um milagre na minha vida.
E se você pudesse ver o que foi feito de mim
Para perder o amor que eu conhecia
Poderia com segurança me levar
A terra que eu conhecia.
Para saber como nós nos tornamos velhos
Os segredos de nossas almas.

O Balanço(Graeme Edge)

 

Depois que ele tinha viajado
E os seus pés estavam doloridos
E ele estava cansado
Ele veio em cima de um laranjal
E ele descansou
E ele estava no frio
E enquanto ele descansava, ele tomou para si uma laranja e provou
E foi bom
E ele sentiu a terra, a sua coluna
E ele perguntou, e viu a árvore acima dele, e as estrelas
e as veias na folha
E a luz e o equilíbrio
E ele viu magnífica perfeição
Onde pensou-se em equilíbrio
E ele sabia que ele era

Basta abrir os olhos
E perceber, do jeito que sempre foi
Basta abrir sua mente
E você vai encontrar
A forma como ele sempre foi
Basta abrir o seu coração
E isso é um começo

E ele pensou daqueles que ele irritou
porque  ele não era um homem violento
E ele pensou daqueles que ele machucou
Porque ele não era um homem cruel
E ele pensou daqueles que ele assustou
Por que ele não era um homem mau
E ele entendeu
Ele entendeu-se

Com isso, ele viu que quando ele ficava irado e magoado
Foi porque ele não estava entendendo
E ele aprendeu... compaixão

E com os olhos de compaixão
Ele viu seus inimigos como ele próprio
E ele aprendeu o amor
Em seguida, ele foi respondido

Basta abrir os olhos
E perceber, do jeito que sempre foi
Basta abrir sua mente
E você vai encontrar
A forma como ele sempre foi
Basta abrir o seu coração
E isso é um começo.

"Uma questão de balanço" é o título traduzido de um disco do Moody Blues, conjunto que adoro.  

Pode ser um paradoxo, mas o Moody Blues, por algum tempo da minha vida, foi meu lado mais brando e sonhador.  A meu ver, o Moody é o conjunto mais romântico e otimista que existe, que existiu.

Ah, cheguei a pensar que precisaria de alguém para mudar a minha vida, que precisaria de um milagre... Este alguém, claro do sexo feminino, o que alguns dizem "alma gêmea"... tudo em vão, afinal, não existem milagres, a não ser na imaginação dos crentes religiosos.

Ah, eu fui magoado, magoei, fui amedrontado, assustei outrem... e eu não fui um homem cruel?  Não fui um sujeito mau?  Não fui, não sou violento?
Compaixão?  Na teoria, é bonito!  Na prática, eu, particularmente,acho impossível; pra mim, é impossível.