Total de visualizações de página

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Minha luta contra o mundo(4)

Mais forte que minha paixão pelo futebol, foi a vontade de ser motorista de ônibus.

Adolescente, eu dizia, com muita convicção, que quando completasse 18 anos, tiraria carteira de habilitação, para ser motorista de ônibus.

Isso causava pavor em meus pais, que queriam que eu me dedicasse aos estudos e, preconceituosamente, diziam que a classe de motorista de ônibus era a pior que existia.

O que eu sentia pelos ônibus era uma verdadeira ideia fixa.  Certamente, foi minha primeira monomania.
Num dos contos de Edgar Allan Poe, o personagem relata sua monomania, chegando até a afirmar, em outras palavras, que era vítima de uma ideia fixa totalmente inútil, que sua monomania era uma bobagem.
Assim era minha paixão pelos ônibus.

Eu sabia de cor a quantidade de ônibus que muitas linhas dos bairros tinham.
Minha linha preferida era a do Calafate.  Meu ônibus predileto era um com a frente toda vidro, da carroceria Striulli.  Eu gostava também de outras carrocerias, como Vieira, Caio, Cirb e outras, as quais não me lembro , no momento.

Eu observava o teto, os assentos, o verniz, enfim, admirava os ônibus por dentro e por fora.
Costumava  tomar lotação, mesmo sem necessidade, apenas para admirar o ônibus.
Me imaginava dirigindo o veículo... imaginava até que tinha colegas de serviço...

Na época, meu papo maior era falar sobre minha paixão pelos ônibus, o que , certamente, deve ter cansado muito as pessoas.
Uma empregada nossa, poucos anos mais velha do que eu, um dia, ao chegar em casa, para o trabalho, começou a relatar que veio num ônibus bem novo e bonito... relatando detalhes do veículo.
De repente, ela falou: "epa, que isso?  Estou pegando a doença dele?!"(ela se referia a mim-rs).

Entretanto, antes de completar 18 anos, eu já não gostava mais de ônibus.
Eles foram ficando mais feios... os "arquitetos" dos ônibus, a meu ver, perderam a criatividade.

Na pós adolescência, eu detestava qualquer tipo de veículo.

Balconista, Auxiliar de Escritório, Auxiliar de Contabilidade, Caseiro de araque na fazenda da minha prima... foram algumas das profissões que "abracei".  Todas muitos ruins, vale dizer.

Como viver num mundo, não tendo ambição, objetivo , ideal?
O ideal não seria não existir?

Já perdi a luta, e isso, há tempos!
Quem foi apaixonado por ônibus, só pode ser louco, não?








2 comentários:

  1. Louco, de certo que não, amigo! Todo mundo tem uma mania, mais ou menos estranha. Minha mania é dar lições de moral para as paredes do meu quarto. Adoro discorrer sobre os abismos morais que as pessoas, inclusive eu, têm. Minhas quatro paredes são alunas fiéis e sempre comparecem às minhas aulas. Pelo menos delas ganho alguma consideração :)

    Fique bem, abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como dizem: cada louco com sua mania...

      Fique bem também, Rafael.
      Obrigado pelos comentários.
      Abraços

      Excluir