Total de visualizações de página

quarta-feira, 29 de março de 2017

Tem que ter controle de natalidade

Enquanto o cantor Odair José dizia "pare de tomar a pílula, porque ela não deixa nosso filho nascer" e o também cantor , Paulo Sérgio pedia para sua esposa, "preciso de um filho seu, pra conservar o amor, que ainda não morreu", o conjunto alemão Birth Control pregava o controle de natalidade, sendo que sempre que podia, atacava a igreja católica, principalmente sua figura maior, o Papa. Pregações a favor e contra a natalidade, tudo nos anos 70.

Birth Control, cuja tradução em português significa Controle de Natalidade, foi um dos ótimos conjuntos que conheci tardiamente, em 1998, depois de mais de 20 anos curtindo rock.

Já falei sobre o conjunto, num dos meus blogs.  Quem tiver curiosidade, veja: http://beldadedaminhavida.blogspot.com.br/2010/12/birth-control.html

Quanto mais o tempo passa, mais fico fã do Birth Control, que, sem dúvida , é uma das melhores bandas do rock. Infelizmente, pouco conhecida e também não tiveram o valor que mereciam.  Eu diria até que são ignorados...  Uma pena!

Recentemente, fiquei sabendo que o cantor/baterista e o único remanescente da banda original, Bernd Noske , faleceu em 2014, aos 67 anos.
Em 1983, o Birth Control já havia perdido um de seus integrantes mais importantes, o guitarrista Bruno Frenzel, o compositor mais atuante do grupo, que faleceu aos 39 anos, três dias após um show da banda(ele já estava doente há um bom tempo).

Tenho 5 cds importados e o restante em mp3 do Birth Control.
Infelizmente, não tenho o último trabalho deles, lançado ano passado, com músicas inéditas, gravadas pouco antes da morte de Bernd Noske.
Provavelmente, morrerei sem escutar o álbum, já que não tenho mais internet diária... na biblioteca da cidade interiorana , é proibido ir em sites como o You Tube...

Algumas de suas letras, são bem interessantes.  Pretendo exibi-las aqui.
Numa delas, composta pelo guitarrista Bruno Frenzel, o tema é o suicídio.
Depois de fazer muitas críticas à vida, ao comportamento humano, Frenzel encerra a canção assim:  Suicídio, suicídio parece ser o destino que o futuro tem armazenado para a raça humana.

Eis a capa do último álbum, desta banda que transmite alegria, sarcasmo e, ao mesmo tempo, as desgraças da vida humana:


Hilariante, não?rs

Nenhum comentário:

Postar um comentário