Total de visualizações de página

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Herança Maldita

Herança(Justin Sullivan)

Mãe, pai, estou indo ok,
no outro lado do país, tão distante.
Penso que sei as coisas que vocês
querem me escutar dizer;
Algumas vezes, tais coisas são tão duras!

Mãe, pai, eu sou seu filho.
Bem abaixo para a longa face magra e pontuda
e com esta confusa  língua distorcida.
E agora acho que estou fazendo todas as coisas
que vocês fizeram.
Algumas vezes, tais coisas são duras!

Então, agradeço a vocês, ou lhes amaldiçoo?
Esses traços estendidos antes de mim,
o que vocês deixaram para trás.
O que eu quero, o que eu sinto, é de vocês,
não meus!

Mãe, pai, todas aquelas batalhas que temos tido
e os longos e longos silêncios, que permaneceram entre,
Por favor, não tentem me dizer que tudo aquilo foi em vão.
Algumas vezes, tais coisas são duras!

Nós vivemos para nos casar.
Nas filas, nos profundos olhos em conjunto
Nos mais finos vestidos formais
sim, e adequados ternos e gravatas, como
uma família de monstros.

Então, eu agradeço a vocês ou lhes
amaldiçoo?

      x____________x

Mais uma letra de uma música de rock, que muito tem a ver comigo.
É comum todos se enquadrarem no sistema.
De adolescentes rebeldes, nos tornamos pais conservadores, como nossos pais.

Eu não me enquadrei no sistema, e deu no que deu: sem condições de me auto-sustentar, dependo de um primo, um primo bem rico, católico, conservador, capitalista ao extremo.

Sinceramente, não me arrependo de não ter me enquadrado no sistema, mas o preço que tenho pago, está sendo caro demais; duro, como diz Justin Sullivan.

Tudo que tenho passado, principalmente, nestes últimos (terríveis) três anos, o fantasma da fome, da falta de moradia, a dependência financeira e, de quebra, a velhice, a magreza, só aumenta a minha revolta.
Com isto, como a letra da música acima, tenho amaldiçoado meus pais, tão capitalistas e burgueses, conservadores, até mesmo opressores, como os outros pais, deste nefando planeta.
Forte dizer tal coisa, não?  Talvez, talvez , ainda exista a ambiguidade, como na letra da música: amar ou amaldiçoar nossos pais?

Uma coisa é certa: detesto a herança que eles deixaram pra mim.
Mãe, pai, tenho 61 anos, e vejam a que ponto cheguei!
Cadê vocês?  Cadê o Sr Destino , que não toma uma providência?
Mãe, pai, Sr Destino, sou , realmente, um caso perdido, não tenho conserto!

4 comentários:

  1. Os pais nós passam conhecimento adquirido de seus pais e assim sucessivamente, apenas isso, nós pegamos um tanto aprendido por eles e outro tanto por nosso própria vivência e absorvemos o que mais tem a ver conosco e com nossa personalidade, os pais não são responsáveis por nossas escolhas e ações, assim como aprendemos com eles algumas tantas coisas aprendemos tbm com os de fora...não somos obrigados a seguir todas as direções passadas a nós...ninguém é...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frida, entendo sua opinião e penso que não deixas de ter um pouco de razão, mas, mesmo inconscientemente acabamos por nos tornar parecidos com os nossos pais. E penso que a vida é tão amarga, que os pais são, no mínimo, semi-criminosos por nos colocar num mundo assim.

      Se eu tivesse um filho(a) e ele(ou ela), me dissesse que me odeia, sendo o motivo o fato de eu tê-lo colocado no mundo, mesmo com uma tristeza e constrangimento profundo, concordaria com ele.

      Grato por sua presença.

      Excluir
  2. Radical vc, meu caro... muito radical...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não é a primeira a dizer isto.
      Não creio que seja uma questão de radicalismo, e , sim, realismo.

      Grato por sua presença.

      Excluir