Total de visualizações de página

sábado, 27 de junho de 2015

O Último Pedido de Socorro

No dia 23.06, estava sem me alimentar. Por volta do meio dia, me veio algo na cabeça: achei melhor revelar a minha situação para a vizinha, que mora ao lado da minha casa, a ex-faxineira da minha mãe.

Falei a ela até das minhas tentativas de suicídio, que aconteceram no dia 28.05...
Pedi que ela cientificasse tudo aos meus parentes. Bem, todos sabem da minha situação, que estou falido. No entanto, poucos sabiam das minhas tendências suicidas e que eu estava sem comer...

Pedi à ex-faxineira que telefonasse  à viúva do meu tio materno(a que tem me dado 300 reais mensais, há alguns meses), ao meu irmão e a uma tia paterna.

A viúva do meu tio, no mesmo dia , fez o depósito de 300 reais na minha conta. E olha que ela tem me dado o dinheiro é no final do mês. Que pessoa bondosa!

As minhas tias paternas, solteironas, que moram juntas, me deram ,cada uma ,20 reais.

A ex-faxineira da minha mãe, ao ver o vazio da minha geladeira, me deu alguns legumes, leite, laranja, dois pacotes de biscoito, 4 pedacinhos de bife.
Ela tentou conversar , ao fone, com minha tia materna, a tal que tem dinheiro, mas nem confiança dá pra mim( há sete anos que não nos vemos). Pra quem não sabe, tal tia sabe da minha situação. Não conseguiu conversar com ela. Não pedi pra a ex-faxineira telefonar pra minha tia, mas ela, possivelmente, querendo me ajudar, a procurou.

A viúva do meu tio sugeriu que eu morasse com meu irmão, sua esposa e seus dois filhos(uma fará 25 anos e o outro tem 23). Isso é praticamente impossível. E enquanto ela conversava, ao fone, com a mulher do meu irmão, sua filha mais velha falou que não tem espaço pra mim em suas casa.

Falei com a viúva , que além deles não quererem minha presença, eu também não gostaria de morar com eles. Não daria certo mesmo! Seria um inferno, para todos, eles e eu!

E, há pouco, mandei um e-mail para a minha sobrinha, afirmando que não tenho vontade alguma de morar na casa dela, ou com quem quer que seja. Inclusive, falei que quando fiquei lá, provisoriamente, por seis dias, até conseguir arrumar meu canto(o local onde hoje moro), notei que, exceto o meu irmão, os três da casa, não estavam nem um pouco satisfeitos com a minha presença, e olha que eu ficava o dia todo quase fora de casa e nem almoçava lá.

Por que eu cientifiquei à ex-faxineira e pedi que ela entrasse em contato com alguns parentes?
O aluguel vence dia 30, e acredito que ficar sem se alimentar por uma semana, não causa morte. O proprietário, vendo meu estado bem debilitado, certamente, chamaria a ex-faxineira, que comunicaria com meu irmão e chamaria o SAMU. Eu ficaria internado , tomando soro...
Portanto, este foi meu último pedido de socorro, tentando sensibilizar alguns de meus parentes, que poderiam até fazer uma vaquinha, já que gasto 1000 reais por mês(e fazendo muita economia).
E , ao que parece, pelo silêncio deles, não vou ter ajuda. Pensei até, já que minha sobrinha é Auxiliar de Enfermagem, o marido da minha tia materna e seu filho, são neurologistas, poderiam até, num caso mais extremo, me conseguir uma casa de repouso, uma espécie de asilo. Será que existem coisas assim, com gestão pública?  Na verdade, eu não gostaria de morar nem um pouco num lugar assim, mas estou perdido. Como vivo relatando, ainda me falta coragem de fazer o corte final. Queria praticar tal ato dentro de casa, mas é complicado fazer isso onde moro(já relatei o motivo em outros posts).

Bom, o dinheiro que tenho não dá para pagar o aluguel, que é de 470,00. Vou ficar devendo 100 reais ao proprietário, pela primeira vez, nos 5 anos e meio em que moro no barracão.
Isso é constrangedor, assim como tudo o que tenho passado.

O jornal O Tempo fez uma reportagem comigo, no dia 25, na minha casa. Eis o link:http://www.otempo.com.br/cidades/por-tr%C3%A1s-dos-codinomes-de-um-comentarista-1.1060001.

Desde semana passada, estou inquieto, ando pra cá e pra lá em casa. Às vezes, fico sentado, parado. Noutras vezes, fico na aconchegante varanda, olhando o horizonte. Não consigo mais vislumbrar nada de positivo, nenhuma saída, nenhuma luz no fim do túnel. E creio que está mais que notório que o destino não vai cooperar, me matando e que nenhum parente me ajudará, a não ser os que citei, os quais sou imensamente grato, mas suas ajudas são paliativos.

Ainda existem muitas coisas complicadas, com referência à minha situação, mas como o post está enorme, não vou falar. Assim que o proprietário passar lá em casa, pra receber o aluguel, paro de comer novamente, aí creio que em um mês, ou espero menos, eu pereça. Torcer para que a ex-faxineira não resolva me visitar, pois se isso acontecer: hospital, entre tantas outras coisa ruins.

Tenho pensado muito nos meus pais. Meu pai, depois de 4 anos internado, totalmente insano e dependente, devido ao Mal de Alzheimer, morreu de pneumonia, ficando dois dias internado num hospital público. Sofreu muito! Minha mãe, ficou 37 dias internada, sendo quase um mês no CTI. Morreu de enfisema pulmonar, sozinha, no CTI! Muito triste! Temo que meu fim será pior ainda.

O jornal O Tempo divulgou meus blogs, e creio que foi este o motivo de ontem este ter sido visitado por 161 pessoas. Aviso que nem sei se voltarei a postar(estou numa Lan House). Tanto posso voltar, como não... virou bagunça... e se eu voltar a navegar na internet e me deparar com comentários ofensivos, eles não serão publicados, portanto, não percam seu tempo. Aceito até críticas, mas construtivas.

Patética minha situação, não? Um consolo: se até o famoso escritor Edgar Allan Poe, que era um gênio, no final de vida aceitava doações, devido estar na miséria, por que não um sujeito comum como eu? Certo estavam Schopenhauer e Sófocles: para o homem, melhor nunca ter nascido!

4 comentários:

  1. Cara, tive conhecimento dos teus blogs através da matéria supracitada. E que sujeito espetacular tu és! Pela primeira vez, pude experimentar, de outra ótica, como enxergar a mim mesmo. Suas palavras transmitem uma sinceridade absurdamente reveladora, o que nos (me) faz pensar melhor sobre determinadas situações. Gostaria de ressaltar que você ganhou mais um fã assíduo de suas palavras. Gostaria de lhe auxiliar, e para isso, preciso que entre em contato comigo através de email. Aguardo seu retorno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Silvio, é muita gentileza de sua parte.

      Sobre a ajuda, talvez eu não volte mais a usar internet(estou numa lan house, no momento).
      Ao que parece , meus parentes não me ajudarão mesmo, e eu, à partir de hoje, vou tentar dar um cabo na minha própria vida.

      No entanto, vc, caso queira, pode entrar em contato com o Jornal O Tempo, que tem o telefone da minha vizinha, que mora em frente da minha casa(estou sem telefone), e ela me dá o recado.

      Muito obrigado!
      Abraços

      Excluir
  2. Seu estilo literário está atravessando o Atlântico. Moro na Suíça e um amigo brasileiro que também mora aqui me aprenstou seu blog para juntos analisarmos e discutirmos os textos de maneira didática e filosófica. Achei que são textos que prendem nossa atenção que dão vontade de ler mais. Ass. Basler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, João, na Suíça?!rs

      Muito obrigado!
      Abraços!

      Excluir